Catarata: causa, sintomas e tratamento

Uma das principais causas da cegueira em idosos, a catarata é a perda da transparência do cristalino, que vai ficando opaco. O cristalino é uma lente natural dos nossos olhos, localizado atrás da pupila e que deve ser bem claro e transparente para permitir a passagem de luz e a formação da imagem no fundo dos olhos. Quando a catarata se desenvolve, esses raios luminosos não chegam à retina e, como consequência, a visão fica embaçada, como se houvesse uma névoa.


Causas da catarata


Sua principal causa é o envelhecimento: com a idade, o cristalino vai ficando mais grosso e nosso corpo vai perdendo a capacidade de nutri-lo. Por isso, é um doença mais comum em pessoas acima dos 50 anos.


Esse tipo de lesão pode ocorrer também pelo uso de alguns tipos de colírios, inflamações ou até mesmo acidentes de trânsito ou agressões físicas no olho. Exposição exagerada à luz solar, diabetes e tabagismo podem ser agravantes da doença.


Sintomas da catarata


Não se trata de uma lesão que surge de uma vez (com exceção dos casos congênitos): a perda da visão é lenta, o que dificulta o diagnóstico. Dentre os principais sintomas, estão:



  • Vista embaçada

  • Sensibilidade à luz

  • Alteração da visão de cores

  • Visão dupla

  • Alteração da cor do olho


Os sintomas podem aparecer em um olho só, ou em graus diferentes. O diagnóstico da catarata é feito quando o oftalmologista examina a estrutura interna do olho. A opacidade do cristalino é avaliada com um instrumento chamado lâmpada de fenda.


Tratamento da catarata


Atualmente, o único tratamento para a catarata é a cirurgia. O procedimento tem como objetivo substituir o cristalino lesionado por uma lente artificial que corrige o problema. Dessa forma, a perda de visão é reversível com a cirurgia.


O tratamento é hoje muito diferente da que era realizado até os anos 90. Os avanços médicos e tecnológicos permitiram que este procedimento seja hoje muito mais seguro e minimamente invasivo. A técnica moderna permite uma incisão mínima (cerca de 3mm de diâmetro) com anestesia feita com colírios e sedação leve, além de recuperação rápida.


A cirurgia de catarata


Primeiramente, é preciso entender que todo paciente com catarata pode fazer a cirurgia, independente do grau de avanço da doença. O procedimento dura cerca de 30 minutos e é feito com anestesia por colírios e, para reduzir o desconforto com paciente, pode ser utilizada sedação leve. Durante a cirurgia, a pessoa permanecerá deitada e não sentirá dor.


Não há necessidade de internação e o paciente poderá ir para casa no mesmo dia. O médico poderá receitar colírios e pomadas para afastar riscos de infecção. Recomenda-se não esfregar, coçar, fazer esforço físico ou dormir sobre o olho operado nos dias seguintes ao pós-operatório. Normalmente, a visão retorna ao normal em poucas horas e o paciente poderá retornar a suas atividades normais em poucos dias.


A técnica atual combina laser ou bisturi (para fazer as incisões e ruptura da catarata) com a facoemulsificação, responsável pela remoção da catarata. A incisão é menor que 3mm e é por ela que será inserido o facoemulsificador no globo ocular, preservando a parte posterior que vai servir de apoio à lente que será implantada. O aparelho vai emulsificar e diluir a catarata. Em seguida o cristalino danificado é aspirado. 


Depois, pela mesma incisão é inserida a lente, que entra dobrada ao meio para que não seja necessário um corte maior. Já dentro do olho ela será aberta e apoiada na parte posterior do cristalino. A lente tem uma medida especial para cada pessoa e será responsável por permitir a passagem e convergir a luz na mácula, tornando a visão nítida novamente.


Bruno Diniz é diretor clínico da Vistta Oftalmologia, especialista em retina, vítreo e catarata. É Doutor em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo.

Envie-nos uma mensagem que entraremos em contato em breve.